Como afirmou André Stolarski, a função da Bienal é “mapear, a cada dois anos, o que de mais importante se produz no país em design gráfico”. Aliando este conceito e buscando dar continuidade à linguagem criada na edição passada, tomamos o mapa do Brasil como ponto de partida para o desenvolvimento da identidade da 11ª Bienal Brasileira de Design Gráfico.

Um grande desafio que a Bienal da ADG enfrenta é angariar fundos para a realização do evento. Como a principal fonte de financiamento são as inscrições, desde o princípio, nossa estratégia foi criar um sistema flexível que oferecesse recursos variados para uma forte campanha de inscrições e divulgação da Bienal.

O principal elemento do projeto, é o mapa do Brasil estilizado. Cores pastéis remetem ao passado e às tradições e contrastam com gradientes dinâmicos. As retas, distâncias mais curtas entre dois pontos, remetem à objetividade e busca de resultados tangíveis para os clientes, enquanto que as curvas simbolizam o processo orgânico de desenvolvimento de projetos de design.

11ª Bienal Brasileira de Design Gráfico
Cliente: ADG Brasil
Direção de Design: Leo Eyer
Coordenação de Design: Rodrigo Moura
Design Gráfico: Rodrigo Moura, Alexandre Paranaguá e Jean Paulo Faustino
Coordenação de Operações: Vivianne Jorás